Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O meu doce olhar

A vida é muito louca! As pessoas estão loucas!!! Calma.... Respirem fundo, há força ninguém vence! Quem vence é a paixão e a precistencia! Aqui apenas pretendo colocar os Pensamentos de uma alma

O meu doce olhar

A vida é muito louca! As pessoas estão loucas!!! Calma.... Respirem fundo, há força ninguém vence! Quem vence é a paixão e a precistencia! Aqui apenas pretendo colocar os Pensamentos de uma alma

Casa dos 30 a idade do “Não olhes pra mim assim que não penso dar-te!”

Valentina, 02.03.20

A casa dos 30, é uma idade filha da puta, e que na minha opinião deve de ser a idade das nossas vidas. É aquela idade em que já levas boa uma bagagem de aprendizado nas costas, porém ainda somos novos e vamos a tempo de fazer as correções que quisermos, ou até quem sabe de ter aquela experiência maluca que nunca nos permitimos antes, mas que sabemos que nunca iremos morrer como nós mesmos sem nunca ter experimentado.


Estamos naquela idade em que realmente nos apercebemos que “agora vai” as pessoas deixam de te tratar por menina e passam a tratar por senhora, qui sabe até “dona” ... Vemos aqueles priminhos que ainda à pouco não passavam de pequenos rebentos a casar e ter filhos, e percebemos que uma boa parte das senhoras e dos senhores que eram a nossa referência já não estão cá connosco. Passamos então nós a ser as referencias das gerações mais novas, e apercebemo-nos que se calhar vamos ter de fazer por nos sentir-mos mais realizados, pois no meio desses “senhores e senhoras” á aqueles que para nós não passaram de pessoas frustradas, que achavam que era tarde de mais para fazer acontecer a vida deles, e como tal infernizavam a vida de todos em volta, querendo justificar as suas faltas de atitude com “tem de ser assim, porque a vida é ingrata e as pessoas são más!”. Principalmente tudo o que nós sabemos é que não queremos ser esses “senhores e senhoras”, que ainda temos toda a nossa juventude a correr-nos nas veias, se fizermos bom uso dela ao menos diremos “eu fiz tudo o que podia”.


Lado a lado com esse sangue jovem que nos corre nas veias também corre todo um aprendizado. Quem nunca usou a velha expressão: “quem me dera a sua idade com o conhecimento de hoje”. Pois é, aos 30 anos já podemos dizer ao mundo que nos rodeia “não olhes para mim assim que não penso dar-te", passamos a perceber que se não olhar-mos por nós mais ninguém vai olhar, que se tu ajudas o outro não significa de todo que vais ter quem te ajude. Percebes que não vale assim tanto a pena mostrares-te disponível, pois a maioria das pessoas vai ficar pelo caminho. Assumes isso como uma atitude tão normal que só se fores muito tolo é que não vais reagir da mesma maneira.


E não está de todo mal pensado... Se não esperas nada das pessoas também não te magoas... escolhe o que queres fazer e mantém a tua atitude sem remorsos:
-A tua amiga está triste e quer ir beber um copo, mas tu não queres, estás cansada e sem paciência, não vás. Se não for a 100% não estejas para o outro... permite-te a dizer que não. Hoje não, mas provavelmente amanhã já estas lá a 100%. Não gastes energia que não tens nos outros.
-Pedem-te algo no trabalho, não faz parte das tuas competências... diz que não... ou diz “se eu tiver tempo”. Às vezes tentamos fazer mais, e a única coisa para que isso te vai servir é para contribuir para o teu stress. Se há coisa que aos 30 anos tu já sabes é que enquanto fizeres de graça nunca ninguém vai dar valor ao teu serviço.
-Convidam-te para um jantar convívio, sabes que aquelas pessoas já nada tem a ver contigo, ou pior, sabes que elas te prejudicam de alguma maneira, permite-te a dizer pura e simplesmente “não”. Se há coisa que tu sabes aos 30 anos é que não te compensa em nada nem comprar brigas, muito menos manter amizades ou simples contactos que te prejudicam ou que não te acrescentam em nada. Nada de gastar a energia, um simples “não”!


Olhamos para traz e pensamos que o tempo realmente apaga tudo, que tudo acaba por passar, as más fazes da vida não são eternas, e nós não seremos felizes para sempre como nos contam nos contos de fadas. Como tal tornamo-nos imunes ás caras bonitas e ares inocentes, e também aprendemos a lutar contra os monstros feios e maus. Sabemos que por de traz de cada monstro geralmente há uma cara bonita e vice versa. E nós não somos mais que os outros e como tal há-que aceitar isso e usa-lo para que pelo menos sejamos pessoas mais leves.
Somos assim, principalmente nós mulheres, pessoas mais objetivas, temos o autoconhecimento necessário a fim de definir-mos ao certo o que combina ou não connosco. Por esta altura já não sentimos a necessidade de ter a aprovação dos nossos pais, e começa a deixar de ser importante o que pensam de nós, já não precisamos de estar em alta no nosso grupo de amigos, pois sabemos que cada um representa ago diferente .

20190910_201214.jpg

 


Em suma, gentes dos 30, curtam-se, namorem-se, permitam-se... É agora que começamos a escrever o terceiro capitulo das nossas vidas, e nele vai ser definida a parte mais importante da nossa história, pois começa a ser palpável que afinal nãoviveremos para sempre, se queremos fazer a diferença, e ser os “senhores e senhoras” que fizeram a diferença positivamente na vida de alguém é agora. Sejamos pessoas leves e autoconfiantes, pois o melhor tesouro que podemos levar connosco é a certeza que acima de tudo fomos nós próprios.


Com o amor de sempre,

curtam todas as idades

Valentina